Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

16
Jun 02

 

Amanheceu calmosa, a manhã deste dia de fins de Junho de 2002.

Ao longe, nuvens prenunciadoras de trovoada, encobrem os céus que a canícula torna opacas.

Uma paz a resvalar para uma inquietante e aparente acalmia, envolve-me, e, em vez de sossego, tranquilidade, sinto um perturbador stress que desgasta e me torna apático.

Ao pensamento, custa abstrair-se dessa materialidade que me absorve e consome.

Paulatinamente, o meu pensamento foge para Vós, Senhor. Onde estais? Que fazer a esta minha ansiedade?

O silêncio é total.

Na minha memória, ecoam as palavras de Santo Agostinho: “O Senhor fugiu dos nossos olhos para que entremos no coração e aí O encontremos”.

Deixo, por um momento, as minhas preocupações, e entro, por um instante em mim próprio, afastando-me do tumulto dos meus pensamentos confusos e procuro-O no meu silêncio e isolamento.

Eu sei que Ele está em toda a parte. Parecendo ausente, mas sempre presente. Escondido e esquecido no Sacrário daquela aldeia encravada na serra, tudo providenciando para que ao homem nada falte.

Esta certeza reconforta-me. O meu coração continua a bater, mas é um bater diferente.

Estou simplesmente diante de Ti, Senhor.


Junho 2002
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar