Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

28
Out 10

 

 

Abro o Notícias

Da última quinta-feira

De Outubro, mês soalheiro,

Prazenteiro,

Verdadeiramente outonal.

Orçamento, ruptura, negociações,

Assaltos à mão armada,

Idosos maltratados

Mantidos em cativeiro,

Corrupção descarada,

Desfalque de milhões,

Fazem a capa do jornal.

Funcionário camarário

“De reconhecida bondade,

Trabalhador discreto, mas eficaz,

Competente e disponível”,

Desaparecido, há uma semana,

Encontrado morto num pinhal.

A família, até ao momento,

Remeteu-se ao silêncio, diz-se.

Silêncio forçado? Consentido?

 Comprometido?

Na vizinhança,

Espantada pelo acontecimento,

Cresce a onda de incredulidade.

Crime, suicídio? Qual a verdade?

É este o tempo. O nosso tempo.

O tempo do meu País.

Sem tempo para a esperança.

Pouco tempo para ser feliz.

 

publicado por aosabordapena às 15:34

20
Out 10

No dia 24 de Outubro celebra-se o Dia Missionário Mundial, este ano subordinado ao tema: Missão: comunhão e partilha.

Na sua mensagem para este dia, Sua Santidade o Papa Bento XVI afirmou: “Aquilo de que o mundo tem necessidade é do amor de Deus, é de encontrar Cristo e acreditar n`Ele”.

“Queremos ver Jesus” (Jo 12, 21) é o pedido que ressoa no nosso coração neste mês de Outubro, recordando-nos como o compromisso do anúncio evangélico compete a toda a Igreja, “missionária por sua própria natureza (Ad gentes, 2).”

Citando Dom Hélder da Câmara “ Missão é partir, caminhar, deixar tudo, sair de si, quebrar a crosta do egoísmo que nos fecha no nosso eu. É sobretudo abrir-se aos outros como irmãos, descobri-los e encontrá-los.”

A partilha de bens e a oração são formas de ser missionário. Sejamos generosos.

 

 

 

publicado por aosabordapena às 16:47

08
Out 10

Foto de wwwdeolhonotempo.blogspot.com

 

 

Ei-la que cai, densa,

Agressiva e lesta.

Trazida pelo vento

Rapidamente

A terra encharca.

O ribeiro, adormecido,

Acorda estremunhado

E enfurecido

Corre em cachão.

De rompante,

Espraia-se pelas margens

Alaga terras

Invade casas,

Trazendo consigo

Desolação.

De abençoada,

A chuva,

Há muito esperada,

Em maldita se converte.

E impiedosa,

Continua a cair,

Indiferente

À dor de tanta gente.

 

publicado por aosabordapena às 22:29

 

No dia 7 de Outubro, a Igreja Diocesana de Bragança - Miranda, comemorou o 9º. Aniversário da Dedicação da Igreja Catedral de Nossa Senhora Rainha, com uma Eucaristia presidida por D. António Montes Moreira, concelebrada por um grande número de sacerdotes da Diocese e na qual participaram muitos fiéis.

A necessidade da construção da Catedral remonta a 27 de Setembro de 1780, quando o Papa Pio VI pediu a reunificação das duas Dioceses, de Bragança e de Miranda, numa só, com sede em Bragança.

Após várias tentativas de construção, só em Dezembro de 1963, D. Abílio Vaz das Neves, lançou de novo o concurso para a elaboração do anteprojecto da catedral de Bragança. O projecto vencedor, apesar de já se ter o terreno, foi rejeitado pelo governo.

Sonho acarinhado pelo Bispo Emérito D. António José Rafael, em 1981, foi obtido do Estado o compromisso definitivo e em 30 de Dezembro de 1988 foram iniciados os trabalhos, dando execução ao projecto do arquitecto Vassalo Rosa que, em 1964, havia ganhado o respectivo concurso.

Decorrido este lapso de tempo, verifica-se ainda ser necessário proceder a diversas obras e aproveitamento das áreas exteriores laterais, tarefa cujo início, o nosso Bispo, na homília, anunciou estar para breve.

 

 

publicado por aosabordapena às 16:54

06
Out 10

 

A festa desceu à rua

Mas o povo não a sente.

Ele é o desemprego

A casa por pagar

Os impostos a subir

E os salários a baixar.

As dificuldades do momento

E a angústia do futuro

Toldam-lhe o olhar

E o discernimento.

AH, a festa!

O povo não a sente

Nem a quer.

Povo sofredor

Obediente

Sobra-te a esperança.

E, mesmo na dor,

Sonhar e lutar

Pois, se o futuro a Deus pertence,

É com as tuas mãos 

Que o podes moldar.

 

 

publicado por aosabordapena às 17:21

04
Out 10

 

 

A breve e singela reflexão, que convosco vou partilhar, subordinei-a ao título – A vertente missionária dos Cursos de Cristandade, considerando que Outubro é, por excelência, um mês missionário. E a melhor forma de a iniciar é recordar um poema de Dom Hélder da Câmara, intitulado “Missão é partir”. E passo a citar: “Missão é partir, caminhar, deixar tudo, sair de si, Quebrar a crosta do egoísmo que nos fecha no nosso eu. É parar de dar a volta ao redor de nós mesmos Como se fôssemos o centro do mundo e da vida. E não se deixar bloquear nos problemas do pequeno mundo a que pertencemos: A Humanidade é maior. Missão é sempre partir, mas não devorar quilómetros. É sobretudo abrir-se aos outros como irmãos, descobri-los e encontrá-los. E, se para encontrá-los e amá-los é preciso atravessar os mares e voar nos céus, Então missão é partir até aos confins do mundo”. Neste contexto, apraz referir que, entre as preocupações dos fundadores do nosso Movimento perante o mundo descristianizado do seu tempo, preocupação, que nos nossos tempos se tem agudizado, sobressaem como linhas fundamentais de acção, a necessidade de uma pastoral de evangelização e de despertar nos homens a fome de Deus. Como sabemos o Movimento dos Cursilhos de Cristandade põe a sua ênfase na forma e na qualidade do que é “ser cristão”, porque quando se é verdadeiramente cristão faz-se melhor tudo o que pode ser feito. E há muito que fazer nestes tempos de ganância e de usura, de profunda crise social geradora de fome, de ausência de solidariedade e de justiça social, de elevados índices de pobreza e de desemprego. Daí que o Movimento deve ler, com olhar evangélico, o “dia de cada dia”, o “dia de hoje” para poder conhecer e evangelizar o homem concreto que connosco se cruza nas esquinas da vida, nos ambientes onde nos movimentamos e que podemos influenciar. Como consta do Ideias Fundamentais, a evangelização ou fermentação dos ambientes, assenta nas seguintes características essenciais: - a opção pela pessoa humana. - a opção por uma pastoral de renovação centrada na evangelização, no renovar do ser cristão, no buscar a experiência de Deus que leva a uma conversão contínua e actuante. - a opção por uma pastoral de anúncio, do anúncio da Boa Nova, da graça e misericórdia de Deus em relação àqueles que O não conhecem ou, conhecendo-O, não O vivem, não O experienciam. Por isso, esta pastoral que é essencialmente missionária deve ir, de preferência, à procura da ovelha perdida. Como refere o Papa Bento XVI, é dever de cada um de nós tornar “Deus presente neste mundo e abrir aos homens o acesso a Deus”, pois, “cada cristão é na Igreja e com a Igreja, um missionário de Cristo enviado ao mundo”. Ser sinal de esperança no mundo, sinal do amor de Deus é um desafio que nos é lançado, todos os dias. Quem vive o Amor de Cristo na sua vida, não pode calar-se, guardá-lo com exclusividade nem ficar quieto no seu canto. Como dizia D. Hélder da Câmara, é urgente partir de si mesmo e ir ao encontro de todos os irmãos, principalmente daqueles que se encontram em situações de fragilidade, quer económica, quer espiritual. É dever de cada um de nós ter a ânsia de dar a conhecer e de amar Cristo, de ter a obsessão, no bom sentido do termo, de propagar o Reino de Deus, de influenciar, não só as pessoas, mas o próprio meio social quase sempre adverso e hostil à influência cristã. Ser cursista é sentir com agudeza a miséria espiritual do meio ambiente e procurar transformá-lo, é ser uma vasilha transbordante de fé e do amor inebriante de Deus que contaminem e seduzam os outros. Estamos cientes da nossa fragilidade e impotência. As palavras podem desassossegar, mas não chegam, pois, ser cursista, ser apóstolo, ser missionário, exige muita fé, oração, esforço e uma vida plenamente impregnada de Cristo. Quem descobre verdadeiramente Deus, descobre o fundamento da esperança, e procura abandonar o altar do egoísmo e abrir-se à solidariedade e à luta pela justiça universal. A liturgia do vigésimo sétimo Domingo comum fazia-nos este convite: “Se hoje ouvirdes a voz do Senhor, não fecheis os vossos corações”, pois este “hoje” da salvação pode ser o último para nós. Na certeza de que “A Palavra de Deus permanece eternamente” é seguro confiar nela, vivê-la e anunciá-la. E termino referindo as últimas palavras de S. Francisco de Assis: “Irmãos, comecemos a servir o Senhor, porque até agora ainda nada fizemos”.

publicado por aosabordapena às 16:30

Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar