Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

03
Mai 10

 (Foto Wikipédia)

 

 

O tempo está quente

E a mãe cigarra, pressurosa,

Põe os ovos de amor,

Ao sopé do castanheiro.

E, lentamente, sem se virar,

Afasta-se, determinada,

Para morrer,

Ouvindo o murmúrio das águas

Que saltitam no ribeiro.

Então, nova vida eclodiu.

A ninfa, caída no chão,

A terra perfurou,

Vivendo, longo período,

Na solidão.

A cigarra cresceu,

Amadureceu e um dia despontou.

Um longo caminho percorreu,

Até se sentir na Natureza

Uma rainha

Rodeada de sol e beleza.

Durante o dia canta,

Feliz, independente,

Indiferente ao tempo que passa.

Importante é o presente.

E cantava … cantava.

O Estio folgazão

Depressa se esfumou.

E, no horizonte, um manto de nuvens,

Foi crescendo, enovelando,

Entristecendo.

Grossas pingas de chuva caíram.

Era Outono.

E a cigarra cantava.

Sua voz era triste e melancólica,

Prenúncio do Inverno

Que ao longe espreitava.

 

publicado por aosabordapena às 18:20

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar