Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

16
Mar 02

 

 

Acabo de ouvir as notícias da noite. A guerra continua no Médio Oriente. A fome grassa no Afeganistão. O frio gela a Europa e faz vítimas mortais.

No meu ouvido, ecoam, longínquos, mas audíveis, gritos de dor e de raiva, gemidos sofridos, choros lancinantes.

É um silêncio perturbador.

A insensibilidade ou inoperância dos homens é confrangedora. A sua impotência face às forças da Natureza é total.

Neste mar de sofrimento, vejo irmãos nossos erguendo os olhos ao céu à espera dum milagre, outros perscrutam o horizonte à espera do auxílio que tarda, outros choram amargamente os entes desaparecidos.

Os seus rostos transfiguram-se, e no meu silêncio, entrevejo o rosto do Senhor. Rosto desfigurado pela noite de vigília e de oração no Monte das Oliveiras. Noite de insónia, agravada pela ausência e fuga dos amigos.

Rosto desfigurado pelos açoites e pelos espinhos cravados no seu Santo Corpo.

Rosto desfigurado pela prepotência do poder instalado, pela traição de Judas e a negação de Pedro.

Apesar de tudo, Senhor, consigo ainda vislumbrar no canto dos olhos desses irmãos, uma réstia de esperança que uma lágrima furtiva, teima em enevoar.

No silêncio … eu continuo a escutar e, como Santo Agostinho, continuo a pedir-Te:

“Dá-me força de perguntar por Ti,

Pois Te deixaste encontrar

E me infundiste esperança

De sempre mais Te encontrar”.

 

 

publicado por aosabordapena às 16:42

Março 2002
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar