Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

19
Abr 99

A Porta de Damasco em Jerusalém)

 

 

Graças Vos damos Senhor por nos terdes elevado à condição de vossos filhos. Filhos tantas vezes indignos que, sem mais esta ou aquela, trocamos a intimidade filial com Deus por “um prato de lentilhas”.

Filhos arrogantes, levando connosco a parte dos bens que havíamos exigido, a nossa pseudo auto-suficiência e presunção.

Como porém é ilusória e caduca esta miragem, que nos tolda a razão e o discernimento.

Apesar de tudo, Deus “Pai das misericórdias e Deus de toda a consolação” (2 Cor 1, 3), está sempre pronto a esquecer, a passar uma esponja e a remover a imundice das nossas iniquidades.

Queiramos nós regressar à Casa do Pai, arrependidos e dispostos a retomar o caminho estreito que o Evangelho sinaliza. Não faltará o “vitelo gordo” para a festa e a alegria nos céus será imensa.

Viver o Jubileu como regresso à Casa do Pai, significa ter confiança no perdão que Deus não nos regateia, significa o trilhar de um caminho de autêntica conversão.

Neste caminhar para o ano 2000, não desperdicemos esta oportunidade de obter a misericórdia divina, de endireitarmos as nossas veredas e sufocarmos os nossos fantasmas.

O perdão de Deus está subordinado à fé do pecador arrependido, pois “quem acredita n`Ele recebe, pelo Seu nome, a remissão dos pecados” (Act 10, 43).

Este poder de perdoar, dado por Cristo aos ministros da Igreja, é a nossa âncora de salvação.

Usemo-la, quando o nosso barco estiver à deriva e nos sentirmos náufragos. Valorizemos a celebração do sacramento da penitência que é o sacramento da misericórdia de Cristo, pelo qual, mediante a absolvição, recebemos o perdão dos nossos pecados.

Nesta redescoberta da misericórdia divina para connosco, somos também convidados a tornarmo-nos missionários da misericórdia e do perdão para todos aqueles que nos ofenderam.

Foi o próprio Jesus que recomendou: “Mostrai-vos misericordiosos, como o Vosso Pai é misericordioso” (Lc 6, 36).

Desta simbiose da misericórdia divina com a misericórdia terrena, ressurgirá a paz interior, a paz entre os homens e a paz com Deus.

 

 

publicado por aosabordapena às 13:48

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 1999
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar