Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

19
Jun 99

(A Torre de David em Jerusalém)

 

Os mandamentos da lei de Deus resumem-se em dois que são: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.

Amar a Deus é a resposta humana ao apelo divino: “É ao Senhor, vosso Deus, que deveis temer e seguir; cumprireis os Seus preceitos e não obedecereis senão, à sua voz; só a Ele prestareis culto e só a Ele servireis” (Dt 13, 5).

Amar a Deus implica obediência à Sua vontade. Implica pôr em prática os ensinamentos de Deus, porque “aquele que ouve as minhas palavras e não as põe em prática, é semelhante ao néscio que edificou a sua casa sobre a areia (Mt 7, 26). Implica tomar Cristo como modelo perfeito deste amor – obediência.

Jesus disse “O Meu alimento é fazer a vontade d`Aquele que Me enviou e realizar a Sua obra” (Jo 5, 34).

Amar a Deus é a busca incessante da perfeição; é um caminhar diário, no qual o nosso pensamento querer e fazer se perspectivam e se concretizam com o fim último de agradar a quem amamos.

Amar a Deus, é amar o próximo como a nós mesmos; amar o próximo como amamos a Cristo; amar o próximo como Cristo também o ama.

Se nas relações com os outros, conseguirmos ver mais longe e no nosso semelhante virmos para além da sua pessoa, concerteza que o nosso procedimento será mais correcto, justo e solidário.

“ É urgente evitar o contra-senso de acreditar em Deus e viver como se Deus não existisse”

É urgente evitar o contra-senso de pensar que amamos a Deus, quando desprezamos os nossos irmãos.

Os caminhos que nos levam a Deus são os caminhos percorridos em consonância com todos aqueles que connosco se cruzam na labuta diária, aos quais, dispensamos o nosso afecto, a nossa ajuda, o nosso sorriso.

Porém, nem sempre é fácil o seu trilhar. Por vezes, não paramos no sinal vermelho e atropelamos o nosso próximo; por vezes não atendemos à intermitência do sinal amarelo, e seguimos em frente, altivos, indiferentes, como se não existisse mais ninguém nesta vida, para além de nós. Quando assim acontece, caímos no precipício do nosso orgulho e insensibilidade.

Importa arrepiar caminho e inspirados na Parábola do Filho Pródigo, retroceder e orientar a bússola na direcção de Deus, mediante o recurso ao Sacramento da Penitência.

Cumprir os mandamentos de Deus implica uma contínua conversão e luta permanente, um contínuo recorrer à oração, dada a nossa fragilidade e falta de coragem.

Neste ano de preparação para o Jubileu do ano 2000, procuremos pois, conservar Deus como hóspede privilegiado no nosso coração, mantendo acesa a chama da Graça que Ele, pródiga e incessantemente nos disponibiliza.

 

 

publicado por aosabordapena às 13:55

Junho 1999
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar