Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

20
Jan 01

 

 

 

Comemorou-se no passado dia 10 de Dezembro, o 52.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Apesar do progresso da humanidade no campo científico e tecnológico, e dos constantes apelos à paz e a uma cultura onde impere a solidariedade e o respeito pela vida e bem-estar de todos os cidadãos, constata-se que grande número de países, faz, da Declaração Universal dos Direitos do Homem, letra morta.

Segundo a Amnistia Internacional, são as crianças as grandes vítimas da fúria humana em todo o mundo. Mais de cem milhões de crianças vivem nas ruas. Em numerosos países, a tortura de menores é uma prática comum por parte das forças policiais.

As crianças são vítimas indefesas de maus-tratos, pedofilia, violações, pobreza, mutilações, obrigadas a fazer a guerra e a matar, a trabalhar duramente, quando deveriam brincar e estudar. “Estes abusos continuam a ser a grande vergonha do mundo, uma realidade diária, “ignorada” pelos governos, um pouco por todo o lado. A maioria das crianças sofre, em silêncio; as suas histórias nunca são contadas, os seus algozes nunca são chamados a prestar contas”, denuncia aquela Organização.

E o que se passa no nosso país? Segundo a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, no ano 2000, foram apresentadas naquela associação 3358 queixas relativas a violência doméstica, referindo-se 2238 a maus-tratos por parte do cônjuge ou companheiro.

A Amnistia Internacional denunciou também maus-tratos aos presidiários, nas cadeias portuguesas.

Segundo a Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego, do Ministério do Trabalho e Solidariedade, mais de metade dos pareceres emitidos em 1999 (52%) incidiam sobre casos de mulheres despedidas de empresas, por estarem grávidas.

É deveras doloroso o desrespeito pelos direitos humanos que se verifica neste início de milénio.

Consciencializar e educar as pessoas sobre os direitos humanos, é tarefa urgente.

Combater e denunciar as situações de injustiça é obrigação de todos, em especial, dos cristãos.

Não o fazer é negar a Boa Nova de Jesus, especialmente direccionada para os pobres, os marginalizados e oprimidos, pelos quais tinha sempre uma predilecção especial.

 

 

publicado por aosabordapena às 15:35

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Janeiro 2001
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar