Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

01
Mar 03

 

É o mês de Março, um mês liturgicamente rico e importante na caminhada dos cristãos para a celebração da Páscoa, a sua principal festa.

Inicia-se com o oitavo domingo do Tempo Comum, no qual S. Paulo afirma “a honra de estar ao serviço da Boa Nova” e recorda-nos que as capacidades individuais vêm de Deus e que, por isso, as devemos colocar ao seu serviço (2 Cor 5 e 8).

No dia 5, dia de jejum e abstinência, inicia-se uma nova etapa no calendário litúrgico da Igreja, com a celebração de Cinzas e o início da Quaresma.

As cinzas evidenciam a nossa fragilidade e transitoriedade. O que começa acaba. É uma lei infalível. Um dia apagamo-nos como as velas.

Durante o Tempo Santo da Quaresma, o nosso espírito acompanha “Jesus guiado pelo Espírito Santo para o deserto onde foi tentado por Satanás). (Mc 12)

É o tempo propício para preparar o dia do Senhor que pode ser agora, de mudar o coração e as atitudes.

É tempo de renúncia, de oração, de vencer as tentações que no dia a dia nos assaltam: a ambição desmedida, o culto excessivo do material em detrimento do espiritual, o atropelo e espezinhar dos direitos dos outros, a imoralidade e frivolidade …

Para nos ajudar a vencer as agruras da vida, o desencanto ou o desalento, a liturgia propõe-nos no dia 19, a celebração da solenidade de S. José, modelo de virtude, de obediência, a humildade elevada à potência máxima.

Ao celebrar S. José, o pensamento voa para o pai terreno, âncora de salvação sempre disponível.

Se ainda vivo, é uma óptima ocasião para agradecer ao Senhor e pedir que lhe dê longa vida.

Se Deus já no-lo levou, resta a saudade e do coração eleva-se uma prece fervorosa a Deus Pai de Misericórdia para que lhe dê o eterno descanso.

No dia 25, celebra-se uma outra solenidade: a Anunciação do Senhor.

Os desígnios de Deus a nosso respeito são insondáveis.

Que o diga a jovem Maria de Nazaré, escolhida entre tantas jovens do seu tempo, pelo Altíssimo, para ser a mãe de Jesus, o Filho de Deus.

Maria perturba-se. O que é que isto quer dizer? Como é que isso pode ser?

Apesar dos seus receios e preocupações, Maria confia e oferece ao Senhor a sua total disponibilidade.

É o abandono total nas mãos de Deus para quem nada é impossível.

Também a nós, por vezes, custa entender e aceitar aquilo que acontece ao longo da vida.

Fruto da nossa fragilidade humana, facilmente caímos no desânimo e não conseguimos discernir que Deus nos está a pôr à prova.

É nesses momentos que devemos ser fortes e como Maria dizer: “Servirei o Senhor como Ele quiser”. (Lc 1, 38)

Termina o mês com o 4º domingo da Quaresma.

“Deus que é rico em misericórdia mostrou por nós um grande amor. Ele deu-nos a vida por meio de Jesus Cristo. Deus ressuscitou-nos juntamente com Cristo Jesus e com ele nos fez tomar parte no seu Reino glorioso”. (Ef 2, 4-6)

Já se vislumbram os acordes da Ressurreição.

Há mudança da hora legal. É também hora de mudança espiritual. Da passagem da morte para a vida.

Oxalá assim o queiramos.

 

publicado por aosabordapena às 16:56

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2003
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar