Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

27
Nov 04

 

O Papa João Paulo II beatificou no passado dia 2 de Outubro, na Praça de S. Pedro, no Vaticano, o último imperador da Áustria, Carlos I de Habsburgo, reconhecendo-o como «um exemplo para quem tem responsabilidades políticas na Europa».

Na cerimónia participaram os quatro filhos ainda vivos do imperador, Otto de Habsburgo, a rainha Fabíola da Bélgica, a princesa Astrid e o príncipe Lorenz.

Cerca de 30 mil fiéis assistiram ao evento, entre os quais vários descendentes dos Habsburgo e representantes das famílias aristocratas europeias.

O Papa beatificou ainda a visionária alemã Anna Katharina Emmerick, a monja italiana Ludovica de Angelis, que esteve 50 anos ao serviço das crianças na Argentina, e os religiosos franceses Pierre Vigne e Joseph Marie Cassant.

A história de Carlos da Áustria, nascido a 17 de Agosto de 1887, cruza-se com a queda do império austro-húngaro a 11 de Novembro de 1918, quando forçadamente abdicou do trono, tendo escolhido a ilha da Madeira para exílio político, onde desembarcou no dia 19 de Novembro de 1921.

Casado a 21 de Outubro de 1911 com a princesa Zita de Borbone-Parma, o casal teve oito filhos.

Uma «gripe com localização bronco pulmonar» leva-o à morte aos 34 anos, no dia 1 de Abril de 1922, com o olhar dirigido ao Santíssimo Sacramento. Como recordou ainda no leito da morte, o lema da sua vida foi: «todo o meu empenho é sempre, em todas as coisas, conhecer o mais claramente possível e seguir a vontade de Deus, e isto de forma perfeita».

Carlos suportou o seu sofrimento sem lamentações, perdoando a todos aqueles que o tinham magoado e ofendido.

Reduzido à pobreza «adoeceu gravemente, aceitando a doença como sacrifício pela paz e a unidade dos seus povos». «Serviu o seu povo com justiça e caridade», explicou o cardeal José Saraiva Martins, perfeito da Congregação para a Causa dos Santos, na cerimónia de promulgação do decreto que reconheceu o milagre. «Procurou a paz, ajudou os pobres, cultivou com empenho a sua vida espiritual. A fé apoiou-o desde a juventude, sobretudo no período da I Guerra Mundial e no exílio na ilha da Madeira, onde morreu santamente», acrescentou o cardeal português.

O seu exemplo e comportamento ao longo da vida são a confirmação de que a aceitação dos desígnios de Deus a nosso respeito, são o caminho certo para a santidade e a felicidade enquanto vivemos a transitoriedade desta vida terrena.

 

 

 

publicado por aosabordapena às 14:07

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Novembro 2004
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar