Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

04
Abr 08

 

 

Cristo, nosso Cordeiro Pascal, é a actualização do mais profundo significado da Páscoa (1 Cor, 7-8): «Purificai-vos do velho fermento, para serdes uma nova massa, já que sois pães ázimos. Pois Cristo, nossa Páscoa, foi imolado. Celebremos, pois, a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da malícia e da corrupção, mas com os ázimos da pureza e da verdade».

Celebrar a Páscoa é assim comprometer-se vitalmente com o anúncio de Cristo ressuscitado. Ela é o memorial todos os dias actualizado no qual somos, simultaneamente, participantes e concelebrantes

Jesus, a grande Luz, é o Salvador. Ele fez-se homem até ás últimas consequências. Até aos trinta anos «cresceu em sabedoria, em estatura e em graça, diante de Deus e dos homens». (Lc 2,52). Foi um judeu normal, com uma vida normal, trabalhador, atento a tudo o que se passava, atento aos sinais, ao que se dizia, à situação existente e ao ar que se respirava na época.

Jesus sai do anonimato através de João Baptista: «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo». Vindo de Nazaré da Galileia para ser baptizado por João no rio Jordão, ao sair da água, Deus Pai, com o Espírito Santo, apresenta-o solenemente como seu Filho, que assim inaugura a sua vida pública: «Tu és o meu Filho muito amado, em ti pus todo o meu agrado.» (Mc 1, 9-11)

O seu programa é o Reino de Deus e a Eucaristia faz parte integrante do Reino. Em contraposição ao Antigo Testamento, a Boa Nova de Jesus, faz a pedagogia do sim e põe o acento tónico na pessoa: a salvação é gratuita e ao alcance de todos; Deus é de todos e para todos; é a abertura plena ao universalismo, havendo uma valorização da graça e da pureza de coração.

Para a sua concretização, Jesus prepara-se por palavras e acções. Disso são exemplo as suas refeições: aceita o convite dum fariseu para comer consigo (Lc 7,36); faz-se convidado de Zaqueu, o cobrador de impostos, «desce depressa, pois hoje tenho de ficar em tua casa». (Lc 19,5); convida e prepara o banquete para cinco mil pessoas (Jo 6, 1-71). Jesus ergue o olhar, preocupa-se com a multidão e mandou-a sentar: tomou os pães e ele próprio os distribuiu.

Jesus, os apóstolos, os judeus, a multidão, «o rapazito que tem cinco pães de cevada e dois peixes» e os cede generosamente, são os personagens desta história de amor: Jesus é o Pão da Vida.

Depois, Jesus caminha sobre as águas e passa duma margem para a outra. É o convite à fé, ao abandono e à confiança num Deus misericordioso e pleno de amor, um convite a receber e acolher o Pão do Céu.
O seu percurso é: do pão material passa ao maná; deste à Palavra; da Palavra à pessoa de Jesus e por fim à Eucaristia. Esta actualiza e torna presente a Páscoa de Jesus, celebrada na «sua sala, com os seus discípulos».

A Páscoa de Jesus é uma dádiva de amor por toda a humanidade e as refeições do Ressuscitado – a EUCARISTIA – foram e são um meio de ajudar os seus discípulos a fortalecer a fé em Cristo ressuscitado, um meio de os fazer ganhar coragem para a missão apostólica de que então e hoje ainda os incumbe.

 

 

 

 

 

publicado por aosabordapena às 17:02

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar