Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

05
Mar 01

(S. José Operário)

  

Da leitura do livro do Génesis ressalta que o trabalho é uma peça fundamental na condição humana.

Segundo o poema da Criação, Deus ocupou seis dias a trabalhar na criação do mundo e viu que tudo era bom.

Ao sétimo dia, descansou e entregou o mundo ao homem, criado à sua imagem e semelhança, para que continuasse a sua obra.

Adão e Eva são incumbidos por Deus de, com o seu esforço, dominarem a terra e todos os animais e, especificamente, de cultivarem o Jardim do Éden.

Nos textos sagrados, Deus aparece como um trabalhador, sempre actuante e tudo providenciando para que nada falte ao homem.

“Meu Pai trabalha continuamente e eu também trabalho”, há-de responder Jesus aos judeus que o perseguiram aquando da cura do paralítico de Betsaida.

Inserem-se, pois, no plano de Deus, o trabalho e o esforço do homem que, ao longo de gerações, tem procurado aperfeiçoar o mundo, contribuindo com o seu labor e inteligência, seja no campo, na fábrica, no escritório, na escola, para que haja melhores condições de vida e o mundo seja um sítio bom para viver.

Jesus, o filho do carpinteiro, enquanto não iniciou o anúncio do Reino de Deus, trabalhou na oficina de S. José, seu pai adoptivo.

Com este gesto, Jesus santificou o trabalho do homem. Com o suor do seu rosto, participou activamente para o progresso da sua terra e das suas gentes e contribuiu para que na sua casa, nunca faltasse o pão a sua Mãe.

Ao anunciar o Reino de Deus, Jesus valorizou o mundo do trabalho que também conhecia.

Pastor e agricultor, médico e semeador, amo e servo, feitor, pescador, comerciante e operário, estudiosos e escribas instruídos, são personagens da vida real que Jesus frequentemente utiliza nas suas parábolas, para melhor ensinar a Boa Nova.

Os apóstolos, seguindo o seu exemplo, compreenderam a importância do trabalho humano.

S. Paulo trabalha em casa de Áquila e Priscila, tendeiros de profissão. Gloria-se do trabalho realizado: “cansamo-nos a trabalhar com as nossas mãos. Com trabalho e fadiga labutamos, noite e dia, para não sermos pesados a nenhum de vós”.

Ao ver que alguns cristãos levavam uma vida preguiçosa, não hesita em afirmar: “Quem não quiser trabalhar, não tem o direito de comer”.

O cristão deve fazer do seu trabalho, um espaço onde se constrói fraternidade. A sua acção ou inacção tem efeitos na vida de centenas de pessoas que nunca chegará a conhecer.

Na medida em que solidariamente se empenhar na execução das suas tarefas, assim contribuirá para a sua felicidade e sentirá a alegria de colaborar com Deus na continuação da grandiosa obra da criação.

Neste mês de Março em que celebramos a festa de S. José, exemplo de trabalho e dedicação, procuremos reflectir acerca do nosso desempenho e recordemos que o trabalho faz parte da vontade de Deus Criador.

Feliz aquele que ao trabalhar com competência, sente que é como que uma mão de Cristo e que, apesar do muito trabalho, ainda encontra tempo para o cumprimento dos seus deveres de cristão.

 

 

publicado por aosabordapena às 16:03

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2001
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar