Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

28
Ago 07

 

A parábola do fariseu e do cobrador de impostos foi dita por Jesus «a respeito de alguns que confiavam muito em si mesmos, tendo-se por justos e desprezando os demais». (Lc 18,9)

A atitude do fariseu, cumpridor escrupuloso de inúmeros preceitos e orgulhoso do seu comportamento, contrasta com a humildade do cobrador de impostos que, perante Deus, não encontra outras palavras e atitudes senão, a de se declarar pecador, e de cabisbaixo, bater no peito pedindo clemência.

Um, julga-se santo diante de Deus, devido às suas boas obras e não à misericórdia de Deus.

Com a sua atitude, o fariseu parece não precisar de Deus para alcançar a santidade, bastando-lhe as suas obras, sinais do seu mérito e garantia automática de salvação, quando elas mais não são do que um dom de Deus.

Diz S. Paulo: «Ele chamou-nos, por santo chamamento, não em atenção às nossas obras, mas segundo o seu próprio desígnio e a graça a nós concedida em Cristo Jesus». (2 Tm 1, 9)

 O outro apresenta-se tal como se sente: vazio de si mesmo, colocando nas mãos de Deus o seu presente de pecado e o seu futuro, de coração aberto à graça e ao perdão divinos.

As nossas boas obras, quando atribuídas e relacionadas com Deus, quando não são regateadas e negociadas, quando a graça de Deus as influencia, contribuem para que «a fé se torne perfeita e o homem seja justificado». (Tg 3, 22,24)

Orgulho, auto justificação, sentimentos de superioridade e egocentrismo, são os pecados do fariseu que acha Deus desnecessário.

 Por seu lado, o cobrador de impostos, pecador público, assume atitudes de humildade, de despojamento. Deus, para si, está acima de todas as coisas, sente-se um zero diante dele e não se mete na vida do vizinho que ora a seu lado no templo.

Dois personagens e atitudes diferentes. Dois filhos do mesmo Deus. Com qual deles nos identificamos, nós cristãos? Como rezamos a Deus? Como nos comportamos nas relações sociais? Como vemos o Cristianismo?

A coerência de vida com a fé professada, obriga-nos a reflectir, de vez em quando, nestas questões, para evitar perdermos o rumo certo.

 Acolher a Jesus e a sua Palavra é, pois, o único caminho de salvação.

 

 

 

publicado por aosabordapena às 16:28

Agosto 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

as minhas fotos
mais sobre mim
pesquisar