Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

05
Ago 01

 

Celebra a Igreja no dia 28 do corrente, a festa de Santo Agostinho, Bispo de Hipona (354-430).

Depois de uma mocidade agitada, o filho de Santa Mónica, foi atraído à vida religiosa pelas prédicas de Santo Ambrósio, chegando a ser o mais célebre dos Padres da Igreja latina.

As suas obras principais são: A Cidade de Deus, O Tratado da Graça e as Confissões.

Como refere o Padre António Vieira, “Agostinho, no livro das Confissões, pôs as erratas da vida”, louvou a Deus e exaltou a infinita misericórdia do Senhor, após O ter encontrado. “Sois grande Senhor, e infinitamente digno de ser louvado. É grande o Vosso poder, e incomensurável a Vossa sabedoria”.

O homem “fragmentozinho de criança”, sente-se, por vezes, perdido, desnorteado, insatisfeito consigo mesmo e com os outros. O seu dia a dia é vivido de forma amorfa, sem qualquer vislumbre de espiritualidade.

A descrença assenta arraiais. O bem-estar material, o poder e o dinheiro não conseguem tornar a vida mais suportável. Quem não crê em Deus, chega a odiar a própria existência.

Que falta, então, para que haja felicidade? Que calafrio é este que perpassa pelo corpo e invade o íntimo do homem? A resposta está no Senhor.

Como Santo Agostinho, é preciso direccionar a bússola da existência para Deus: “Existiria eu se não estivesse em Vós, de Quem, por Quem e em Quem todas as coisas subsistem? Para onde Vos hei-de chamar, se existo em Vós?”

Esta certeza de que Deus está no homem e o homem em Deus é uma força impulsionadora para O descobrir, para O aceitar, como fim último desta vida transitória que passa velozmente, rumo ao além. “Quem me dera repousar em Vós! Quem me dera que viésseis ao meu coração e o inebriásseis com a Vossa presença para me esquecer de meus males e me abraçar Convosco, meu único bem!”

Para que tal aconteça é necessário o reconhecimento do pecado, um arrependimento sincero, rezar para não voltar a cair, um firme propósito de, dia a dia, avançar, cada vez mais, na perfeição e ter a coragem de rapidamente recuperar, quando tropeçando, houver uma caída.

Invocar o Senhor, o Senhor que se entristece e alegra com o filho pródigo, o Senhor da misericórdia e do perdão, é um acto de amor filial, de disponibilidade e de aceitação.

Como Santo Agostinho, digamos: “Não me escondais o rosto. Que eu morra para O contemplar, a fim de não morrer eternamente! A minha alma é estreita habitação para Vos receber; dilatai-a, Senhor. Ameaça ruína, restaurai-a. Tem manchas que ferem o Vosso olhar. Eu o reconheço e confesso”.

 

 

publicado por aosabordapena às 19:46

Agosto 2001
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

as minhas fotos
mais sobre mim
pesquisar