Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

05
Ago 01

 

Celebra a Igreja no dia 28 do corrente, a festa de Santo Agostinho, Bispo de Hipona (354-430).

Depois de uma mocidade agitada, o filho de Santa Mónica, foi atraído à vida religiosa pelas prédicas de Santo Ambrósio, chegando a ser o mais célebre dos Padres da Igreja latina.

As suas obras principais são: A Cidade de Deus, O Tratado da Graça e as Confissões.

Como refere o Padre António Vieira, “Agostinho, no livro das Confissões, pôs as erratas da vida”, louvou a Deus e exaltou a infinita misericórdia do Senhor, após O ter encontrado. “Sois grande Senhor, e infinitamente digno de ser louvado. É grande o Vosso poder, e incomensurável a Vossa sabedoria”.

O homem “fragmentozinho de criança”, sente-se, por vezes, perdido, desnorteado, insatisfeito consigo mesmo e com os outros. O seu dia a dia é vivido de forma amorfa, sem qualquer vislumbre de espiritualidade.

A descrença assenta arraiais. O bem-estar material, o poder e o dinheiro não conseguem tornar a vida mais suportável. Quem não crê em Deus, chega a odiar a própria existência.

Que falta, então, para que haja felicidade? Que calafrio é este que perpassa pelo corpo e invade o íntimo do homem? A resposta está no Senhor.

Como Santo Agostinho, é preciso direccionar a bússola da existência para Deus: “Existiria eu se não estivesse em Vós, de Quem, por Quem e em Quem todas as coisas subsistem? Para onde Vos hei-de chamar, se existo em Vós?”

Esta certeza de que Deus está no homem e o homem em Deus é uma força impulsionadora para O descobrir, para O aceitar, como fim último desta vida transitória que passa velozmente, rumo ao além. “Quem me dera repousar em Vós! Quem me dera que viésseis ao meu coração e o inebriásseis com a Vossa presença para me esquecer de meus males e me abraçar Convosco, meu único bem!”

Para que tal aconteça é necessário o reconhecimento do pecado, um arrependimento sincero, rezar para não voltar a cair, um firme propósito de, dia a dia, avançar, cada vez mais, na perfeição e ter a coragem de rapidamente recuperar, quando tropeçando, houver uma caída.

Invocar o Senhor, o Senhor que se entristece e alegra com o filho pródigo, o Senhor da misericórdia e do perdão, é um acto de amor filial, de disponibilidade e de aceitação.

Como Santo Agostinho, digamos: “Não me escondais o rosto. Que eu morra para O contemplar, a fim de não morrer eternamente! A minha alma é estreita habitação para Vos receber; dilatai-a, Senhor. Ameaça ruína, restaurai-a. Tem manchas que ferem o Vosso olhar. Eu o reconheço e confesso”.

 

 

publicado por aosabordapena às 19:46

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2001
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar