Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

05
Dez 00

 

Transportemos o nosso pensamento para a Galileia e, mais concretamente, para a cidade de Nazaré, ao lar da Sagrada Família.

Sendo aparentemente uma família igual à do seu e nosso tempo, é contudo, por especial eleição divina, modelo para todos os cristãos.

Maria, que se “perturba” aquando do anúncio pelo anjo Gabriel de que conceberia e daria à luz o filho do Altíssimo, obedece à vontade de Deus.

Reconhecendo a sua fragilidade e receio perante tamanho desígnio, não hesita e manifesta uma disponibilidade total, tornando-se “escrava do Senhor”.

Maria, jovem mãe, concebendo em seu seio Aquele cujo “reinado não terá fim”, não se envaidece perante as suas vizinhas e amigas, mas, antes, na sua humildade, glorifica ao Senhor.

S. José é o marido e pai incansável, que trabalha de sol a sol para o sustento do lar, o homem justo que se preocupa com o bom-nome da família e com o seu bem-estar.

O seu respeito por Maria, o saber estar, discreto, mas sempre presente, o braço amigo que acaricia, conforta e auxilia, são atributos, que fazem de S. José o modelo ideal para todo o pai e marido.

E que dizer de Jesus Menino? Apenas que lhes “era submisso” e que “crescia em sabedoria, em estatura e em graça diante de Deus e dos homens”.

É esta Sagrada Família que celebramos no último dia deste ano jubilar 2000, dia especialmente escolhido pela diocese para o Jubileu das Famílias.

Melhor motivação não podia haver. A época é propícia à renovação do compromisso assumido no casamento, propícia a uma reflexão acerca do “modus vivendi familiar”, à revitalização das relações familiares.

Vivendo numa sociedade onde as relações entre as pessoas são muitas vezes de anonimato, de rivalidade e de egoísmo, é a família aquele oásis, onde se goza o calor humano que alimenta e faz florescer a felicidade.

A saúde relacional de um povo e também da Igreja depende da vitalidade que reina na mais pequena célula da sociedade e da Igreja, que é o lar familiar.

Se aí existe respeito mútuo e forem cultivados os valores da fraternidade, da justiça, da paz, da partilha, da simplicidade, da verdade e responsabilidade, a sociedade ficará mais enriquecida e humanizada, e as relações interpessoais mais facilitadas.

Se na família há amor, este transbordará e inundará os corações de todos aqueles cuja história pessoal com ela se cruzar, e é sinal de que aí habita Deus.

Neste fim de Ano Jubilar, roguemos ao Senhor que fortaleça a nossa família, que o Espírito Santo a transforme em verdadeira “igreja doméstica” e que o terceiro milénio que se avizinha, traga a todas as famílias do mundo, paz, prosperidade e as maiores felicidades em Cristo Senhor.

 

 

 

 

 

 

 

publicado por aosabordapena às 19:50

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Dezembro 2000
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar