Um singelo espaço de reflexão pessoal. Lugar de afectos, espiritualidade e outras coisas da vida.

17
Mai 12

 

 

 

Primeiros dias de maio,

Este ano

De águas mil,

Sombrio e friorento,

Como não se via

Há muito tempo.

Espreito pela janela.

O tempo convida á quietude do lar.

Ao longe,

Uma suave neblina

Acaricia a cidadela

E a chuva cai sem cessar.

São cinco horas da tarde.

Num canal de televisão,

Uma jovem é entrevistada.

Palavras amargas,

De desespero e desalento,

Saem-lhe da boca

E do coração.

É um relato de violência,

Um grito de angústia, 

De sofrimento e dor.

Uma vida sem sorte,

Pedindo justiça

E a prisão do pai ameaçador

Que a quer matar,

E a quem deseja a morte

Para poder ser feliz.

Como é possível, Senhor?

A entrevista terminou

E um amargo de boca nos ficou.

Ficámos quedos, sem palavras,

Perante este drama humano

De quotidianos mil,

De lutas e carências,

De lágrimas escondidas

E dolorosas experiências.

Até quando, Senhor,

Tanto ódio, desamor e maldade?

Lá fora, anoitece.

E a chuva continua a cair

Com intensidade.

 

 

 

publicado por aosabordapena às 22:01

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
18
19

21
22
23
24
26

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
as minhas fotos
As minhas visitas
counter customizable Exibir My Stats
mais sobre mim
pesquisar